Páginas

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Davi Facts #17




Davi fez ontem 17 meses!
Tá muito diferente, um amor!
- beija muuuuito! Beija quando a gente pede, beija sem a gente pedir. Não há quem não se derreta.
- Fala acabou! Acabou serve pra tudo que ele não quer mais comida, dormir, uma brincadeira. E ainda mexe os braços  como um não pra enfatizar.
- Fala abriu pra sinaleira quando fica verde. Ele ama os semáforos! 
- Canta. Essa foi depois da escola por lá. As professoras cantam muito, faz parte da pedagogia inseri-los nas artes e música é a primeira. Ele canta no carro, no banho, brincando sozinho 
- Faz artes! Desenha lindamente as cadeiras, móveis, chão, meus cadernos da faculdade e eu acho tudo lindo. Nunca brigo e nem reclamo da sujeira.
- Fala "tabaio". Ele passa o dia perguntando pelo Ba, e eu sempre respondo está no trabalho. De tanto eu falar ele aprendeu.
- Adora se pendurar, todos os móveis são alvos das tentativas de escalada dele, um perigo só!
- Fala "num num" e faz que não com os dedinhos pra ele mesmo quando ele sabe que está fazendo algo de errado. Eu me mato pra não cair na risada.
- Come sozinho com colher! Ele sempre comeu sozinho, mas agora ele sabe usar a colher super bem (para um bebê de 1 ano e 5 meses, claro)
- Pegou a primeira pereba de escolinha, o que rendeu quase 1 semana febril. Mas agora já está melhor.

Ta um amor de querido, carinhoso 






Essa última é ele entregando meu presente de dia das mães <3

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Ciclos que terminam e outros que começam

Faz mil anos que não apareço aqui, motivo: estamos passando por grandes mudanças na nossas vidas.
E eu queria falar sobre quando fosse mais concreto, definido. E não me fazia sentido falar de outras coisas com tudo isso acontecendo.
O primeiro de todos é: Davi está frequentando a escolinha durante as manhãs. Ainda em fase de adaptação. Tô contando no meu instragram cada dia como tem sido. Não tem sido fácil, aliás está bem difícil, ele não fica a manhã inteira ainda. Esta é a terceira semana de adaptação e foram as semanas mais conflitantes. Porque logo em seguida que nós tínhamos dado por encerrado o assunto escola, o Felipe teve uma proposta de emprego irrecusável. Uma excelente oportunidade para ele, só que com período de 8 horas diárias e sem horário flexível. Nós estávamos num revesamento para conciliar os nossos trabalhos e faculdades e com essa mudança o Felipe saiu de jogada durante o dia. Ficando como única saída a escolinha.
A segunda notícia é o ciclo que termina, pelo menos pra mim. Esse pra mim tem sido parte importante do processo. Parte onde as coisas começam a se separar e cada uma das "personas" começa a ganhar sua própria forma e voz. Ontem 04 de maio de 2014 eu fiquei oficialmente liberada para consumir leite e derivados. Foi um mês inteiro de testes e o Davi passou bem, teve uma semana de adaptação. Mas logo já ficou normal. Foram 1 ano e 1 mês de entrega, de fusão completa. E essa fusão começa a mostrar que precisa terminar, ele e eu precisamos deixar de ser "nós" para sermos Laís e Davi, Mãe e Filho. Perceber isso pra mim foi parte fundamental pro processo de cura, não só da APLV mas cura emocional. Se valeu a pena? Claro! Se foi fácil? Jamais. Mas me sinto orgulhosa de mim e também com a sensação de dever cumprido. Agora só o Davi faz dieta de restrição, porém em casa ainda mantemos o leite fora de cena.
Obrigado a todos que de alguma forma me apoiaram nesse desafio, de perto ou de longe. Em silêncio ou com palavras. Sozinha eu jamais teria conseguido, sem o Felipe fazendo comigo e mantendo a nossa casa livre de LV, sem meus pais que arrumaram um armário louças e cozinhavam sempre a mesma comida para todos quando estávamos lá. Sem toda a nossa família que compreendeu os cuidados que ele precisava e sempre lavaram as mãos e se mantiveram longe quando estavam comendo coisas proibidas. Agradeço também a minha tia Jose que foi não só apoio mas também inspiração, a minha prima Marina (vulgo Tia Beico) que me ajudou a compreender coisas que pareciam incompreensíveis. A Maria Alice que não só me ajudou com receitas deliciosas como me mostrou que esse tempo todo estive sim levando uma alimentação muito mais saudável. Todos os nossos amigos, que entenderam quando recusei um convite, quando fui e fiquei pouco, que ouviram minhas lamentações quando estava de saco cheio. E todos que acompanharam a nossa caminhada até aqui e torceram para que o final feliz chegasse logo. Claro que o fim mesmo será quando ele estiver completamente livre, porém a minha parte nisso já terminou.

segunda-feira, 24 de março de 2014

A primeira semana do semestre

Essa semana começaram as aulas da nossa faculdade (eu e o Felipe fazemos o mesmo curso). Por algumas semanas eu sofri por antecipação, achando que ia ser muito pesado o retorno as aulas.
Decidimos que o melhor seria nós dois reversarmos os cuidados com ele. Depois de quebrar a cabeça para encaixar os horários certinho. Montamos um mega esquema de trocas, tudo muito bem planejado.
E como foi? Um sucesso!
Super cansativo, mas deu bem certo.
Na segunda a minha aula é pela manhã, deixei o almoço pronto e eles foram me buscar o Davi já estava dormindo. Peguei ele o carro e fomos para casa, segunda ele fica em casa com a mamãe a noite e o pai vai pra aula.
Terça era aula a noite, Felipe tinha as duas primeiras e eu as duas últimas começando as 20:00. Dei janta, banho e peito e fomos. Quando eu cheguei na UFSC ele já estava dormindo, fizemos a troca de carro e o Felipe conseguiu tirar ele dormindo e assim ele ficou quando eu cheguei as 23:30 de ônibus. Na quarta eu não tinha aula, ufa! Quinta o esquema era o mesmo de terça, só que ele acordou, rá! Não chorou, o Felipe conseguiu fazer ele voltar a dormir mas ele acordou de novo e saiu engatinhando. Como eu perdi o segundo ônibus eles foram me buscar no terminal do nosso bairro. Chegando em casa dei peito e ele dormiu.
Sexta era a prova de fogo do Felipe! De tarde ele tem natação no centro, depois da natação eles me deixaram na faculdade. Teoricamente a aula seria das 18:30 as 22:00, eles foram pra casa e eu fiquei. Teve janta, banho e aí a minha aula acabou! hahaha Os meninos vieram me buscar e fomos pra casa, nisso ele já dormiu no caminho.
Eu fiquei muito feliz com o resultado, primeiro porque ele o Felipe estão com um vínculo enorme e segundo porque eu também gostei de retomar a minha vida acadêmica. Foi ótimo voltar a estudar, rever os amigos.
Veremos como serão os próximos capítulos!


Foto que o papai me mandou pelo whats para provar que estava tudo bem ;)

terça-feira, 18 de março de 2014

Davi Facts #15

Está quase andando sozinho. Já se aventura solto em pequenas e médias distâncias. Em breve deves estar por aí todo bípede. 

Fala sem parar! Num idioma completamente seu, cheio de entonações e tudo. Eu acho mais sensacional que andar.

Palavras do seu dicionário: mamaim (eu), mamã (peito ), bá (pai), ti (aqui), tai (sai), bô ( acabou), dê ( cadê). 

Dá ordens!!! Pricipalemnte pra gwen. Manda ela vir aqui, manda ela sair. Ela apenas olha e ignora.

Essa é super nova: faz nhami nhami pra comida ou quando quer comer. 

Vai para porta pedir para passear.

E agora fica  algumas horas sozinho com o papai a noite e durante o dia, enquanto eu vou para aula e academia. Essa vai render um post a parte.

Mama de uma a duas vezes por noite.
 
Tá lindo, tá esperto, tá um amor!


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Pelo direito de escolher [Blogagem coletiva: Coração Materno]

Primeiramente quero linkar um texto muito bom da Isa do Para Beatriz: Vamos falar de escolhas

E quis aproveitar o clima para além de fazer uma reflexão relatar aqui o dilema que vivi nos últimos 4 meses. Então voltando a novembro:

Eu vi a nós e o Davi crescer dentro e fora de mim num tamanho que eu não estava preparada. A vontade de trabalhar era imensa. O tempo cada vez menor e o Davi cada vez mais exigente de atenção. Em paralelo eu decidi retomar a faculdade. Pensei aí mesmo que eu não terei tempo pra nada. Decidimos então que o Davi ia para a escolinha. Após escolher, visitar e pensar. Achamos que a melhor seria a escola C. Mas eu não fiquei segura, meu coração ficou na mão como se algo estivesse errado.

Em Janeiro:
Refizemos nossas contas e a escola C não cabia no nosso bolso. Só abriram 4 vagas na pública e mesmo assim aquilo não parecia ser algo tão necessário assim. Mas o trabalho só aumentava e demandava cada vez mais. Bom né?! Isso é o que toda empreendedora quer, mas o Davi queria a mãe. A escola parecia a solução. Só 1 amigo do Davi e ele não iriam começar a escola nesse ano. E eu me senti pressionada cada vez que o assunto surgia.
Se ele não sabia dividir - escola é bom pra isso.
Se eu estava cansada - na escola eu teria tempo
Se ele ainda não anda - na escola terá estímulo e logo andará
E eu ia ficando cada vez mais acuada, o que não é do meu feitio. Mas acabei conversando com uma amiga que leva sim a bebê na escola esporadicamente e ela me disse: se tu achas que ainda consegues ficar, melhor.
Eu perguntei a outra amiga: como te sentes sabendo que todos menos o J não vai para escola? Ela me disse: não sinto nada.

Já em Fevereiro:
E depois de muito pensar, eu me acalentei. Sabia que ainda não é a nossa hora da escola. Eu escolhi empreender para ficar com ele em casa. O Davi ainda precisa da louça dele e comida separada sem contato com leite. Não é um risco que nós queremos correr agora. Ele vai andar, quando chegar a hora. Ele vai aprender a dividir e eu já estou menos cansada.

Eu não disse que sou melhor que quem coloca na escola.
Eu não disse que a escola faz mal.
Eu não disse que é errado colocar na escola para conseguir fazer as coisas.
Mas ao mesmos tempo eu gostaria de ser respeitada por fazer diferente.
Eu gosto de uvas, mas posso ser amiga de quem gosta de morangos. Certo?