A história do desmame do Davi

*Por Laís de Oliveira

Não sei dizer exatamente quando o Davi começou a desmamar. Como já faz bastante tempo não consigo lembrar de todas as datas exatamente. Mas desde quando ele completou 18 meses eu tentei inúmeras vezes fazer o desmame noturno e ia sendo vencida pelo cansaço: na maioria das vezes o melhor era dar logo o peito para ele voltar a dormir.

Em agosto de 2014, Davi estava 1 ano e oito meses e nós nos mudamos para uma casa nova. Aproveitamos a mudança para envolvê-lo no lance do quarto novo e ele dormir na sua própria cama. Com esse estímulo, ele realmente passou a dormir na cama dele e por consequência não acordava mais durante a madrugada.

Mais ou menos umas 6h da manhã ele acordava e vinha para nossa cama para mamar e dar mais uma esticadinha no sono. E durante o dia continuava mamando sempre em livre demanda.

Em setembro de 2014, foi quando para mim começou a parecer que um desmame poderia estar próximo. Eu tive que ficar 4 dias fora fazendo um curso de imersão. Eu até voltava para casa à noite, mas quando eu chegava o Davi já estava dormindo.

Resultado: 4 dias inteiros sem mamar, pela primeira vez na vida! Antes disso o máximo de tempo que ele havia ficado, tinha sido umas 12 horas, e só durante a noite.

Depois que eu voltei do curso eu percebi que ele começou a pedir menos para mamar. Passou uma semana mamando uma vez por dia, aquela mamada da manhã.

Passadas mais ou menos duas semanas, começou a ficar engraçado: ele passou a mamar uma vez por semana! Hahaha juro! Um mês inteiro mamando uma vez por semana, lembro de quando eu ia comentar no grupo das minhas amigas mães, que o Davi estava desmamando, ele acabava pedindo para mamar mais uma vez.

E numa dessas fez uma semana, fez quinze dias, um mês, dois... e ele simplesmente parou de pedir para mamar.

Durante esse tempo ele pediu algumas vezes (acho que 3) eu deixei ele tentar mamar, mas o leite já tinha secado. Doeu MUITO, mas penso que foi importante para ele ver que realmente tinha acabado.

Para mim, o desmame significou um misto de sensações. Primeiro foi imensamente libertador. Eu já estava bem cansada da demanda da amamentação. Eu acho que a gente só percebe mesmo o quanto é cansativo, quando acaba. Mas por outro lado foi difícil ver esse ciclo se encerrar porque eu lutei muito para que amamentação desse certo. Tanto no início, quando ele ainda era recém-nascido, quanto durante a dieta restritiva para alergia à proteína do leite de vaca (APLV).

O saldo do desmame foi super positivo na minha opinião, foi tranquilo e sem dramas. Ele realmente foi demonstrando que estava pronto e eu também estava pronta para guia-lo nesse final de ciclo.