O volume das fraldas ecológicas prejudica o bebê? Fisioterapeuta responde.

Olá, sou a Cris*, mãe da Cecília e do João Felipe e já adianto que não.

Conheci as fraldas de pano modernas quando estava com o João ainda pequeno, a Ciça não aproveitou dos seus benefícios. Procuramos as fraldas pensando em sustentabilidade e também em economia.

Quando experimentamos no João, logo veio a dúvida, o volume da fralda pode causar deformidade nas pernas dele? (ah sim, sou fisioterapeuta e me preocupei com o desenvolvimento e possíveis deformidades). Assim, cheia de dúvidas, fui pesquisar se poderia haver relação entre o volume das fraldas de pano e as pernas afastadas ou separadas.

Inicialmente, as fraldas de pano parecem volumosas entre as pernas, entretanto, com as eliminações de xixi e coco, elas diminuem de volume, isto porque tais eliminações são absorvidas pelo tecido. Menos mal, não é mesmo?

Porém, não contente apenas com esta informação, segui na jornada agora da parte cientifica da coisa, buscando saber mais a respeito do tal volume entre as pernas.

Sabe-se que as deformidades de quadril (osso da pelve) estão intimamente relacionadas a fatores fisiológicos (inerentes do próprio bebê/criança, que já nasce predisposto) e fatores mecânicos de antes de nascer (referente ao período de gestação) e pós-nascimento (após o nascimento - este sim me deixou mais curiosa).

Os fatores mecânicos pós-nascimento dizem respeito ao posicionamento do bebê, estando associado ao uso de mantas/slings e uso de fraldas e cintas inadequadas. Calma, estamos indo bem.

O problema é justamente manter as pernas do bebê aduzidas (fechadas), ou seja, deixar as pernas um pouco separadas (alusão a postura de “rã”, com abertura das pernas em cerca de 45º em relação ao corpo o que permite que o osso da perna encaixe dentro da articulação do quadril), faz bem para o desenvolvimento da articulação do quadril. Oba! Isto é bom né!?

Com esta grande descoberta, percebi que tinha mais um motivo para usar as fraldas de pano modernas, além da sustentabilidade e economia, estava contribuindo para o desenvolvimento sadio do meu filhote.

*Cristiana Meurer de Miranda é fisioterapeuta, especializada em saúde da mulher e mestranda em neonatologia