Semana Mundial de Aleitamento Materno

Quando eu ainda estava grávida todo mundo tinha medo do parto por mim, eu não tinha medo algum. E eu morria de medo da amamentação e todo mundo me dizia para não preocupar que era simples. Depois que o Davi nasceu amamentar pra mim se tornou muito mais do que prover ao meu bebê o alimento ideal, se tornou uma fonte de cura e de superação.Nos primeiros cinco dias de vida eu chorava antes de cada mamada, durante cada mamada e após cada mamada. Porque eu não conseguia, tinha dor e nada do meu leite descer. No quinto dia eu tive o auxilio de uma profissional especializada em amamentação e eu consegui satisfazer meu filho pela primeira vez, foi mágico!


Durante um mês foi difícil amamentar, eu não chorava mais porém não conseguia fazer sozinha ou em público. No segundo mês eu já conseguia fazer sozinha e em público e no terceiro era a completa satisfação! 
Mas durante essa semana eu voltei a pensar no aleitamento materno, na indústria do leite artificial e fiquei profundamente chateada. Porque ninguém me disse que poderia ser dolorido, difícil e que mesmo assim era normal? É normal gente, todo mundo passa por problemas no começo! Porque que ao invés de me sugerirem ter uma lata de leite em pó em casa para "qualquer aperto da madrugada" não me sugeriram conhecer uma consultora em aleitamento e ter seu telefone? Hoje eu tenho o prazer de ser amiga de uma e acredito que além dela fazer um trabalho maravilho ela contribui para um mundo melhor! Sim porque se todas as mães procurassem auxílio em alguém capacitado só tomariam fórmula os poucos bebês com indicação real.
Item estritamente essencial para a mala da maternidade: telefone de uma enfermeira especializada em aleitamento materno.